All for Joomla All for Webmasters

VENDA NOVA VENCE CARNAVAL 2019

VENDA NOVA VENCE CARNAVAL 2019 Júlia Lanari/Belotur

Canto da Alvorada e Cidade Jardim ficaram com o segundo e terceiro lugares

A Acadêmicos de Venda Nova foi a grande vencedora do Carnaval de Belo Horizonte 2019. Em uma votação disputada a agremiação levou a melhor durante a apuração, realizada nesta quinta-feira (7), no Mercado da Lagoinha, região Noroeste da capital mineira. O segundo lugar ficou com a Canto da Alvorada e o terceiro com a Cidade Jardim.

A premiação para as escolas de samba vencedoras do Grupo Especial foi de R$ 80 mil, R$ 40 mil e R$ 20 mil para os três primeiros lugares, respectivamente.

Neste ano, foram quatro categorias de premiação para as escolas de samba: bateria; compositor Samba tema; mestre-sala e porta-bandeira; e comissão de frente. Outra novidade foram os prêmios especiais no valor de R$ 10 mil para a bateria; para compositor e ou compositores do samba ou marcha tema; para o casal de mestre-sala e porta-bandeira; e para a comissão de frente com as melhores notas.

Já os Blocos Caricatos vencedores do Grupo A receberam o prêmio de R$ 30 mil para a primeira colocação, R$ 20 mil para o segundo lugar e R$ 10 mil para o terceiro, além de outras duas premiações especiais – para compositor e marcha tema.

Grupo B

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Raio de Sol, que apresentou o enredo em homenagem a ativista do movimento negro, Diva Moreira, ficou em primeiro lugar, seguida da Unidos Guaranis, que destacou a Pedreira Prado Lopes. Ambas estão na expectativa para ver se terão acesso ao grupo principal. O resultado será publicado no Diário Oficial do Município.

Blocos Caricatos

Os Bacharéis do Samba conquistou o bicampeonato do Carnaval 2019. O bloco do Morro do Papagaio, Bairro São Pedro, também levou o prêmio de melhor bateria. O segundo lugar foi para Estivadores do Havaí, que também recebeu o prêmio de melhor samba. Em terceiro ficou para os Infiltrados de Santa Tereza, da Vila Dias.  Os Leões da Lagoinha receberam troféu pela participação no desfile e Unidos da Zona Norte pelo melhor enredo. A Vila Estrela levou o troféu de melhor bloco caricato do grupo B.

Os desfiles ocorreram na noite de segunda (4) e terça-feira (5), numa superestrutura montada na avenida Afonso Pena. Os eventos, abertos ao público, tiveram poucos espectadores. Na terça, em função dos desfiles das escolas, as arquibancadas ficaram um pouco mais cheias, mas, ainda assim, aquém do aparato montado: banheiros, arquibancadas, som de primeira qualidade, sistema de transmissão dos desfiles para grandes telões armados na avenida e um batalhão de segurança, que incluía bombeiros civis e seguranças particulares.

Os desfiles ocorreram na noite de segunda (4) e terça-feira (5), numa superestrutura montada na avenida Afonso Pena.

Na segunda à noite, desfilaram 11 blocos caricatos, alguns nascidos na capital nas décadas de 1940 e 1950. Os Mulatos do Samba festejaram a história das máscaras; os Bacharéis do Samba celebraram os vários estilos de dança; os Acadêmicos da Vila Estrela brindaram o universo do circo, com muitas cores e de forma lúdica. Desfilaram ainda Os Aflitos do Anchieta, Unidos da Zona Norte, os Estivadores do Havaí, os Infiltrados de Santa Tereza, Os Inocentes de Santa Tereza, Por Acaso, Real Grandeza e Corsários do Samba.

Na terça-feira, oito escolas de samba foram para a avenida, entre elas, a novata e estreante do Carnaval de BH, Raio de Sol, que homenageou a feminista e ativista política da área educacional, Diva Moreira; e a maior delas, Acadêmicos de Venda Nova, com 600 integrantes, que homenageou a mineira Ester Sanchez e sua trajetória pelo mundo do voluntariado.

As tradicionais Cidade Jardim, Bem-Te-Vi e Canto da Alvorada, além dos Unidos Guaranis, Imperavi de Ouro e Estrela do Vale levaram para a avenida temas bastante diversos, de animais a causas sociais: desde a história dos gatos, passando pela importância do meio ambiente, os 28 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente, entre outros.

Alguns destaques foram uma ala plus size, formada por 23 mulheres fora do padrão de beleza, da Canto da Alvorada; e uma ala somente de passistas, de Venda Nova. Muitas crianças presentes nas baterias e em alas diversas também chamaram a atenção do público. Outro destaque foi a ação dos agentes de limpeza da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), que ao fim de cada desfile passavam varrendo a passarela.

 

 
Ler 263 vezes Última modificação em Sexta, 08 Março 2019 11:32
Zu Moreira

Jornalista, compositor e pesquisador

1 Comentário

  • Link do comentário Neide carmo Mar 07 2019 postado por Neide carmo

    Quero ressaltar que o aflitos do Anchieta desceu no peito e na raça. Sem subvenção da Prefeitura por termos ficado dois anos sem desfilar. Mas não desistiremos jamais.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Onde sambar

Sambistas Online

Temos 49 visitantes e Nenhum membro online

CARICATURA DO MÊS

Cartola

Samba no mapa